Pesquisar este blog

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Dez Vestidos que Mudaram o Mundo

Dez Vestidos que Mudaram o Mundo

New Look

Após o período da II Guerra Mundial, em que a Europa esteva afundada num clima de tensão e crise e a Moda se manteve discreta e modesta, surge o New Look, em 1947, para acabar com o momento de ruínas anterior. Trazendo de volta o otimismo, a mulher francesa volta a ser feminina, versátil e esperançosa. O luxo desse modismo de Dior e a cintura definida junto à saia rodada marcou o momento em que a Moda se recupera e a França retoma seu lugar no mundo fashion.
Rosa – Shocking
Elsa Schiaparelli, marcou época por seu experimentalismo conceitual, que sempre se aliou ao mundo da Arte para criações exorbitantes, de diversas formas, bordados, cores brilhantes e berrantes, florais, e a cor que foi seu marco: o rosa – shocking. O vestido rosa-shocking representava muito o espírito Elsa, era uma cor que traduzia a expressão feminina do momento. E o vestido Rosa-Shocking (1947) é um ícone nesse sentido, o nome Shocking vem do primeiro perfume da estilista, que depois foi atribuído a cor, muito presente em seus trabalhos.
 Marilyn Monroe em Pecado Mora ao Lado
O vestido de William Travella marcou a história do cinema e é um marco cultural do século XX. A clássica cena de 1955, em que o ícone cinematográfico tem seu vestido levantado pelo vento que vem do respiradouro no chão não é marcante apenas pelo fato de ter uma grande estrela como protagonista, mas também pela sensualidade ousada pra época, e o vestido cria vida própria quando voa e revela (mais ainda) as curvas do sex simbol da época. Indo contra a moralidade e o conservadorismo daquele tempo, Marilyn e a criação de Travella dão show e constroem um momento de celebração a beleza e a sexualidade.
Pretinho Básico de Bonequinha de Luxo
Chanel foi a precursora no quesito Pretinho Básico, mas foi Hubert de Givenchy que popularizou e transformou a peça no must-have dos guarda-roupas femininos até os dias de hoje. Tudo isso graças ao modelo desenvolvido para Audrey Hepburn no filme Bonequinha de Luxo (Breakfest at Tiffany’s) de 1961. A figura delicada de Audrey ganhou força, versatilidade e sofisticação quando vestiu o modelito de Givenchy, e essa imagem foi um marco fashion jamais esquecido.
Vestido Mondrian
Piet Mondrian (1872-1944) foi um dos maiores artistas do movimento do Neoplasticismo, com suas artes abstratas e geométricas, e inspirado em sua principal obra, Yves Saint Laurent, em 1965) traduziu essas formas e cores do quadro em um vestido que abstrai as formas do corpo humano e sintetiza o design geométrico em forma de vestido. Essa peca abre a discussão do que é Moda e do que é Arte, uma questão até hoje não respondida.
Mini Vestido
No Pós Guerra inglês, as cidades continuavam cinzas, e o Mood continuava de pessimismo, enquanto na juventude brotava um desejo de irreverência, cores fortes, contornos moderno. Traduzindo esse inconsciente coletivo em uma peça jovial e original, Mary Quant, em 1965 desperta uma nova era para a Moda: chega a vez dos micro comprimentos. Com a criação do vestido mini a mulher passa a poder se revelar como nunca tinha feito antes, e de maneira acessível, uma vez que esses vestidos foram produzidos em massa e também era possível encurtar a barra dos vestidos antigos em casa. Começa um momento de sensualidade fresh.
Envelope
Depois do movimento Feminista e da conquista da mulher por vários direitos na sociedade, o desejo feminino passa a ser por praticidade, uma vez que agora a mulher sai as ruas, trabalha, vota, essa mulher agora é objetiva e precisa de algo simples, confortável, fácil de usar. Eis que Diane von Fürstenberg, em 1973, cria o vestido envelope, que com sua incrível facilidade em tirar e por e com todas as características citadas anteriormente como fundamentais para a mulher da época, e a deixa mais confiante, feminina e ousada.
De malha listrado
O casal Ottavio e Rosita Missoni, em 1974, reinventam a malha com uma padronagem colorida de listrado zigue-zague, em shapes confortáveis e simples, que expressa perfeitamente o espírito despojado e casual que vinha se estabelecendo naquele período.
Bandage
Em 1989, cansado dos exageros e estilo largado dos anos 80, Hérve Léger reinventa o mulher sensual, criando o vestido Bandage, que era feito de lycra e tecidos ricos em Spandex, para modelar e ressaltar as curvas femininas. Feito inicialmente com tiras recicladas de pano costuradas na horizontal e em alguns lugares com “bandagens”a mais para exaltar curvas do quadris e seios. Considerado um vestido sexy e de luxo, rapidamente foi aderido pelo público, e trouxe a discussão se aquele tipo de vestido deforma a corpo, por apertar e modelar, ou se era uma excelente celebração das curvas do corpo da mulher.
Vestido de Led
Performático e louco por tecnologia, o conceitual Hussein Chalayan em uma de suas criações de vanguarda cria, 2007, um vestido com cristais Swarovski e mais de 15 mil leds cintilantes, representando uma coleção sobre o ciclo da vida, usando novas tecnologias e prevendo a onda digital que mundo começava a viver.
Fonte:
Livro Cinquenta Vestidos que Mudaram o Mundo, Design Museum, Ed. Autêntica.
http://closetonline.com.br/tag/diane-von-furstenberg